Poluição sonora: uma ameaça à saúde!

Poluição sonora: uma ameaça à saúde!

Poluição sonora: uma ameaça à saúde!

Existem diversas situações que causam desconforto acústico em nosso cotidiano, mas elas só podem ser consideradas poluição sonora se tiverem potencial para causar danos à saúde humana ou animal. Embora não se acumule no meio ambiente, como outros tipos de poluição, ela é considerada um dos principais problemas ambientais das grandes cidades e uma questão de saúde pública.

Uma pessoa exposta a ruídos muito altos pode sofrer de insônia, depressão, perda de memória, gastrite, doenças cardíacas e, claro, surdez. Portanto, prezar por um ambiente silencioso não é capricho. É questão de saúde! No Brasil e em outros países, existem leis e normas para evitar altos níveis de ruídos. Entre os especialistas, o consenso é que o limite seguro é de 80 dB.

Sons do cotidiano afetam a audição

Confira algumas fontes de decibéis do seu dia a dia:

  • Tique-taque do relógio – 20 dB
  • Sussurro – 30 dB
  • Conversa – de 60 a 85 dB
  • Aspirador de pó – 75 dB
  • Liquidificador – 85 dB
  • Trânsito congestionado – 80 a 90 dB
  • Metrô – 90 dB
  • Feira livre – 90 dB
  • Secador de cabelos – 95 dB
  • Latidos – 95 dB
  • Shows, bares e baladas – 100 a 120 dB
  • Tocador de música – Aparelhos mais populares passam de 100 dB.
  • Trios Elétricos – 110 dB
  • Fogos de artifício – 125 dB
  • Avião decolando – 140 dB

Embora existam leis para a redução do ruído, sua eficácia depende muito de termos de custos e fiscalização. A consciência sobre o problema e a aplicação das soluções continuam a constituir um desafio na área.

Mesmo com os constantes movimentos para a conscientização e alertas dos profissionais, a maioria das pessoas não toma os devidos cuidados em ambientes barulhentos. Uma água poluída ou um ar contaminado afastam as pessoas, mas um lugar barulhento dificilmente espanta alguém. 

O barulho, mesmo não sendo escandaloso, é interpretado pelo organismo como aviso de perigo. Para que a pessoa tenha energia para se defender, suas reservas de açúcar e gordura são liberadas. Esgotado o estoque de energia, surgem cansaço, irritabilidade, estresse, ansiedade, insônia, falha de memória, falta de concentração, gripe e até doenças cardíacas, respiratórias, digestivas e mentais.

Legislação

Cada vez mais cidades brasileira vêm aderindo às “leis do silêncio”. No âmbito federal, não há uma lei específica para o caso mas a Lei de Contravenções Penais afirma que quem perturba o “sossego alheio” com barulho pode passar até três meses preso. Já a Lei de Crimes Ambientais pune com até quatro anos de prisão quem causar “poluição de qualquer natureza”, inclusive a sonora.

Há, no entanto, limites da amplitude de ruído determinado pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Ela estabelece, por exemplo, que em área residencial com hospitais e escolas, os limites são 45 dB à noite e 50 dB de dia. Em uma região totalmente industrial aceita-se até 70 dB (dia).

Na Europa, as grandes cidades são obrigadas a elaborar um mapa do ruído. Elas  apontam a intensidade sonora de todos os cantos do perímetro urbano. Com o mapa, o governo passa a saber onde o barulho está e, assim, pode agir no local exato.

O barulho humano ameaça animais e plantas?

Sim! Uma pesquisa realizada por uma universidade americana apontou que a maioria das áreas verdes protegidas nos Estados Unidos estão sob efeito do dobro de barulho que deveriam. A amostra evidencia que o excesso de ruído causado pelo homem, por meio de aviões e carros, por exemplo, ameaça a vida de animais e plantas nessas regiões.

Segundo o estudo, 63% das áreas pesquisadas possuem barulhos causados pelo homem 10 vezes maior do que o som ambiente.

Barulhos gerados por carros e aviões ainda afetam o comportamento animal, aumentando o estresse e alterando atitudes durante a busca por alimento. Já no caso das plantas, elas acabam afetadas pois o barulho pode fazer com que animais polinizadores como as abelhas, borboletas e aves, ou aqueles que se alimentam de vegetais e que acabam espalhando suas sementes, mudem suas rotas.

Voltar para Notícias