Sons do cotidiano afetam a audição

Sons do cotidiano afetam a audição

Sons do cotidiano afetam a audição

Muita gente não sabe, mas os sons do cotidiano podem sim prejudicar a audição. Todos possuímos minúsculas células no ouvido interno, que vibram e enviam os sinais elétricos para que o som seja decodificado. Assim, qualquer ruído que exceda a quantidade de som que o ouvido humano suporta, pode prejudicar leve ou intensamente essas células, dependendo do grau e quantidade de tempo da exposição. Esse excesso é chamado de poluição sonora.

A poluição sonora se tornou algo tão sério que no Brasil foi implementado o selo Inmetro que identifica nos produtos a quantidade de ruídos que emitem. Além disso, com o tempo, a tendência é que mais e mais pessoas comprem produtos mais silenciosos, obrigando os fabricantes a prestar atenção nesse assunto.

O ouvido humano suporta até 90 decibéis e os efeitos desse excesso demoram para surgir e se agravam a cada ano. Em média, sons entre 85 a 100 dB demoram até 6 horas para causar danos e acima de 110 dB apenas 30 minutos. Para termos um parâmetro, é comum encontrarmos ondas que variam entre 30 e 40 decibéis em uma biblioteca; em uma conversa normal chega a 60 dB; um aspirador chega a 70 decibéis e shows cerca de 120 dB.

Confira abaixo a lista de decibéis:

  • Música no volume máximo (entre 85 a 100 dB)
  • Máquina perfuradora (90db)
  • Tráfego pesado (100 dB)
  • Motosserras (100db)
  • Martelo pneumático (110db)
  • Disparos de armas de fogo (120db)
  • Buzinas (120db)
  • Avião prestes a decolar (130db)
  • Explosões (140db)
  • Show de rock (120 dB)
  • Trovão (até 180 dB)
  • Airbag de segurança (até 180 dB)

Vale ressaltar que os mais prejudicados são aqueles que são expostos todos os dias a poluição sonora intensa, como profissionais de trânsito, cabeleireiros que manuseiam secadores de cabelo, trabalhadores domésticos expostos a máquinas de lavar e aspiradores de pó, cozinheiros que utilizam utensílios barulhentos como liquidificadores e trabalhadores da construção civil que fazem uso de britadeiras. Além de pessoas que moram perto de academias, rodovias, aeroportos e regiões de bastante tráfego.

Se perceber zumbidos no ouvido, dores, tonturas e vertigens ou qualquer mudança na sua percepção sonora, logo após a qualquer exposição sonora intensa, procure um médico! Quanto mais cedo for realizado o diagnóstico, mais rápido e eficaz será o tratamento.

Como prevenir?

Uma medida para quem se incomoda com os barulhos intensos constantemente, é o uso dos protetores auriculares, que são encontrados em farmácias ou podem ser moldados especificamente para seu ouvido em silicone. Antes de prosseguir com o uso dos protetores de farmácia ou moldados, é preciso antes fazer uma consulta com o profissional oftalmologista ou fonoaudiólogo para que sejam avaliados fatores que podem influenciar no uso diário ou esporádico do aparelho.

Outra medida simples e eficaz é prestar atenção no volume dos sons dos lugares. Uma dica é baixar um aplicativo gratuito no celular para calcular os decibéis, o que pode ajudar a identificar poluições sonoras.

Voltar para Notícias