Boas práticas para inclusão de deficientes auditivos no trabalho

Inclusão de deficientes auditivos no mercado de trabalho: saiba como contribuir!

Boas práticas para inclusão de deficientes auditivos no trabalho

O ambiente de trabalho é desafiador por vários motivos, sendo um deles o convívio com pessoas de diferentes perfis, opiniões e necessidades. Promover um espaço harmônico e organizado para todos é uma grande responsabilidade. Quando buscamos boas práticas de inclusão de deficientes auditivos no local de trabalho, é preciso ter ainda mais atenção.

Em 1991, a Lei de Cotas entrou em vigor nas empresas a fim de promover a inclusão no mercado de trabalho. Segundo a lei, uma empresa que tem de 100 a 200 funcionários precisa ter pelo menos 2% das vagas preenchidas por deficientes. Para empresas com 201 a 500 colaboradores, a exigência é 3%. Quando o local possui de 501 a 1000, a taxa sobe para 4% e, no caso de mais do que 1000 funcionários é preciso ter 5%. Caso não cumpram essa obrigação, as empresas são sujeitas a multas.

Infelizmente, muitas organizações contratam pessoas com deficiência para se adequarem às normas, mas esquecem que é necessário adaptar a empresa. A inclusão deve conter estratégias que abordem o funcionário com perda auditiva, mas também uma capacitação para que todos da equipe saibam lidar da melhor maneira diante das situações do cotidiano.

Pensando nisso, separamos algumas sugestões abaixo de como a sua empresa pode ter boas práticas de inclusão de deficientes auditivos.

Workshop de cultura surda

A ideia é que os colaboradores entendam os comportamentos e as características da deficiência auditiva, suas causas e necessidades. É uma boa oportunidade também para falar de saúde auditiva, abordando os cuidados que todos devem ter com a própria audição.

Workshop de libras

Com isso, os colaboradores podem aprender a segunda língua brasileira e se comunicarem com maior facilidade com um colaborador surdo.

Alarmes luminosos

Algumas empresas possuem apenas alarmes sonoros, que são ineficazes para quem possui perda auditiva. Por isso, incluir alarmes luminosos é também uma medida de segurança para todos.

Capacitação dos colaboradores para comunicação

Existem algumas técnicas simples que podem ser praticadas por toda a equipe e facilitam a comunicação. Elas são: falar frente a frente para facilitar a leitura labial, devagar, adaptar o volume da voz e tocar no braço ou costas das pessoas com deficiência auditiva para que ela perceba que está sendo chamada.

Promover um funcionário intérprete

Se a sua empresa tiver condição e oportunidade, é interessante ter alguém que entenda a linguagem de sinais para trabalhar junto com o deficiente auditivo. Assim, a comunicação será mais eficiente e as dúvidas serão tiradas mais rapidamente.

Diagnóstico de inclusão

Faça um levantamento de dados periodicamente para verificar se suas ações estão surtindo efeito. Dica importante: ouça os funcionários! Pergunte para o colaborador com dificuldade auditiva se ele tem alguma crítica ou sugestão.

Visite os setores de trabalho

Fazendo isso periodicamente você pode verificar como está a interação entre as pessoas na sua empresa e pensar em novas estratégias para implementar.

Ofereça apoio psicossocial

Funcionários com perda auditiva possuem dificuldade de adaptação e de se relacionar. Por isso, é extremamente importante que ele possua uma rede de apoio e saiba quem procurar caso precise.

Gostou do post? Leve as sugestões para a sua empresa! Compartilhando as informações nas suas redes sociais você também ajuda a divulgar a necessidade da inclusão de deficientes auditivos no mercado de trabalho.

Voltar para Notícias