Como a perda auditiva afeta o emocional dos adultos

Como a perda auditiva afeta o emocional dos adultos

Como a perda auditiva afeta o emocional dos adultos

A perda auditiva é um problema sério que muda a dinâmica das ações do dia a dia na vida das pessoas. Nas crianças, ela compromete o desenvolvimento da comunicação, do aprendizado e da socialização. Já nos adultos, a perda auditiva afeta o emocional. Afinal, a pessoa passa a sentir de repente dificuldade na realização de tarefas que antes eram feitas sem esforço, como assistir TV ou conversar ao telefone.

Em seguida, precisa lidar com algo que está fora dos planos: o diagnóstico de perda da audição e a notícia de que precisará utilizar aparelhos auditivos. A verdade é que nunca estamos preparados para lidar com essas adversidades, o que afeta o psicológico. Mas a boa notícia é que com um bom acompanhamento com o fonoaudiólogo, muita pesquisa e acesso à informação de qualidade, essas barreiras emocionais podem ser superadas.

Obstáculos emocionais

A perda auditiva pode gerar complicações mesmo antes da pessoa receber o diagnóstico. Ela pode sentir dificuldade para compreender conversas com mais de um interlocutor e até mesmo se sentir indisposta e cansada em ambientes lotados. Isso acontece porque o esforço auditivo é algo que provoca exaustão mental, alterações de humor e estresse crônico. Dessa forma, para não passar por situações parecidas, a pessoa pode se isolar da vida social, dos amigos e familiares mesmo sem identificar a causa. Com o tempo, esse isolamento pode despertar crises de ansiedade e depressão. Esse é um dos motivos pelos quais afirmamos que a perda auditiva afeta o emocional dos adultos.

Quando o diagnóstico é recebido, muitos pacientes sentem raiva, frustração e incompetência. A vergonha também é um obstáculo que dificulta a aceitação da nova condição. Pacientes que sentem vergonha de ter perda auditiva normalmente se negam a utilizar aparelhos auditivos e acabam caindo no isolamento do convívio social. Outra situação bastante frequente é que a pessoa abandone as tarefas habituais por ter dificuldades de mantê-las na rotina do dia a dia.

Nos idosos a situação pode ser ainda mais prejudicial. O risco de desenvolver demência é 21% maior em pessoas que possuem perda auditiva mas não utilizam aparelhos auditivos em relação às pessoas que têm a audição normal ou que fazem uso do dispositivo.

Implicações sociais

O estudo “As implicações sociais da deficiência auditiva adquirida em adultos” teve como objetivo analisar as implicações da surdez adquirida em adultos. Para isso, foram analisados 27 casos de pessoas entre 18 e 60 anos, residentes em Bauru-SP, com diagnóstico de perda auditiva de manifestação súbita. O estudo confirmou o que já se imaginava:

“A discriminação e a vergonha se fizeram muito presentes nas vidas dos sujeitos analisados, contribuindo para sua exclusão social, mostrando a dificuldade de adaptação, a frustração, o isolamento e a depressão, impactos que emergiram nas entrevistas, seja pela autodiscriminação, discriminação familiar e social e alterações no relacionamento.”

O auxílio dos aparelhos auditivos

A verdade é que atividades simples como assistir um filme com a família pode se tornar uma situação mais complicada quando se tem algum grau de perda auditiva. Porém, é possível melhorar essa condição ao utilizar aparelhos auditivos. O avanço da tecnologia permite a facilidade de aproveitar situações do dia a dia sem se preocupar com a perda auditiva, até mesmo esquecendo que ela existe.

Para quem tem vergonha, existem aparelhos intracanais que podem ser utilizados na parte interna do ouvido, que são pequenos, ultra discretos e cheios de funcionalidades. É possível atender o telefone direto pelos aparelhos auditivos, controlar e ajustar seu dispositivo pelo celular, transmitir o som da TV, de palestras e das suas músicas favoritas diretamente para o aparelho com total discrição.

O importante é consultar um fonoaudiólogo de sua confiança, que possa te orientar na escolha do aparelho ideal de acordo com as suas necessidades. Assim, você não vai mais precisar se isolar do convívio com os amigos e família e nem precisa lidar com a vergonha pela sua perda auditiva.

Dica: neste post no blog Crônicas da Surdez, a autora Paula Peifer conta um pouco da sua experiência no momento em que foi diagnosticada com perda auditiva e reuniu alguns relatos de outras pessoas que também perderam a audição.

Voltar para Notícias