fbpx

Deficiência auditiva não é doença!

Surdez não é doença

Deficiência auditiva não é doença!

Quantas pessoas que usam óculos de grau você conhece? E você as considera menos capazes simplesmente por não enxergarem bem o suficiente sem usar óculos? Provavelmente não. E por que seria diferente com quem é surdo? Deficiência auditiva não é doença, e neste texto te explicamos o porquê!

Deficiência auditiva: capacitismo é preconceito

Você já ouviu falar sobre capacitismo? O capacitismo ocorre quando uma pessoa com deficiência, seja ela auditiva ou visual, por exemplo, é considerada menos capaz para realizar tarefas cotidianas do que pessoas sem deficiência.

A desinformação sobre a deficiência auditiva é o que gera estas situações de preconceito. A falta de informação sobre o assunto contribui também para manter o estigma e o sentimento de vergonha para quem usa aparelhos auditivos. Uma coisa leva à outra: com vergonha de usar os aparelhos o grau da perda auditiva pode aumentar e colocar a audição ainda mais em risco.

Não é tudo igual: os graus de perda auditiva

Primeiro de tudo: nem todo surdo é mudo! Existem surdos oralizados que conseguem se comunicar pela fala e entendem as pessoas por meio da leitura labial. São pessoas que perderam a audição depois de já terem aprendido a falar ou que então já eram surdas, mas com o trabalho de um fonoaudiólogo aprenderam a falar.

E entre ouvir bem e não ouvir nada existe uma variedade de graus de perda auditiva, e não, não é tudo a mesma coisa. A perda auditiva pode ser leve, moderada, severa e profunda.

  • Leve: perda entre 26 e 40 decibéis na capacidade de ouvir. A pessoa consegue participar de uma conversa, por exemplo, mas já apresenta dificuldades para ouvir, e nesta circunstância os aparelhos auditivos podem ajudar.
  • Moderada: perda de 41 a 70 decibéis na capacidade de ouvir e neste caso a pessoa quase não escuta nenhum som de fala sem a ajuda de aparelhos auditivos.
  • Severa: perda entre 71 e 90 decibéis na capacidade de ouvir e a pessoa consegue escutar apenas sons graves como o latido de um cachorro ou o barulho de um aspirador de pó, aqui aparelhos auditivos pode ajudar na qualidade da audição.
  • Profunda: com perda auditiva superior a 91 decibéis a pessoa não consegue ouvir nenhum som e nestes casos pode ser indicado o implante coclear.

Quais são os tipos de perda auditiva?

Perda auditiva condutiva

Ocorre quando o som não é transmitido corretamente até a orelha interna. Este tipo de perda auditiva pode ser corrigida com procedimentos cirúrgicos ou tratamento clínico e pode ter como causas a perfuração do tímpano, tampões de cera, infecções e má formação congênita do conduto auditivo, por exemplo.

Perda auditiva neurossensorial

Ocorre quando as células ciliadas dentro da orelha interna ou o nervo auditivo não conseguem receber o sons. Esta se trata de uma perda auditiva irreversível e pode ter origem hereditária caso a mãe tenha tido problemas durante a gravidez como herpes, sífilis, diabetes e toxoplasmose, por exemplo. Também pode ser causada por lesões físicas, má alimentação na infância, sarampo e nascimento prematuro.

Perda auditiva mista

É a combinação das perdas condutiva e neurossensorial e ocorre quando o o ouvido externo não consegue conduzir o som de maneira adequada até a orelha interna, que, portanto, não leva a informação até o cérebro. Essa perda auditiva pode ser hereditária ou em decorrência do uso de medicamentos ototóxicos, traumas cranianos, infecções no ouvido ou perfuração do ouvido externo e médio.

Visibilidade para o assunto: deficiência auditiva não é doença

A atriz Regina Casé aproveitou o Dia do Surdo, no último dia 26, para dar visibilidade à causa e passar uma mensagem. Em suas redes sociais ela publicou um vídeo com a filha Benedita, que tem deficiência auditiva. O vídeo de Regina Casé com a filha é um lembrete de que deficiência auditiva não é doença e capacitismo é preconceito!

Aqui na Acurys, trabalhamos com a exclusividade da marca Signia para que nossos pacientes escutem a felicidade nos momentos mais simples da vida. Cuidar da sua audição é garantir qualidade e vida e usar aparelhos auditivos é investir na sua saúde. Não deixe de ouvir quem você ama, marque uma consulta conosco e venha cuidar de você!

Voltar para Notícias