DPAC: o que é, como identificar e como tratar

DPAC: o que é, como identificar e como tratar

DPAC: o que é, como identificar e como tratar

O Distúrbio do Processamento Auditivo Central (DPAC) ou Disfunção Auditiva Central é um distúrbio que afeta as vias centrais da audição. Apesar de ser pouco conhecido, ele é mais comum do que parece. Pessoas que sofrem com DPAC são capazes de detectar o som, mas possuem dificuldade para interpretar as informações que estão sendo transmitidas por ele.

É importante saber que quando falamos em processamento auditivo central, estamos falando da capacidade que o sistema nervoso tem para traduzir as informações que são enviadas pela audição. Ele é o responsável por localizar e memorizar sons, reconhecer um padrão acústico, entre outras funções. Quando o processamento auditivo central possui um distúrbio, as funções auditivas são afetadas.

Causas

As causas são variáveis e muitas vezes incertas. As mais frequentes são genéticas, por otites de repetição, traumatismo craniano, lesões cerebrais e envelhecimento natural do cérebro.

O DPAC pode atingir pessoas de qualquer idade e sexo, mas são mais comuns em crianças e idosos. Durante a infância, no período de alfabetização, é que o distúrbio precisa ser identificado mais rapidamente para não comprometer o aprendizado.

Sintomas

As dificuldades podem ser facilmente confundidas com falta de interesse e transtornos de atenção. Por isso, é preciso estar atento aos principais sintomas que uma criança com DPAC pode apresentar:

  • Agitação
  • Desatenção e distração fácil
  • Dificuldades para ler ou escrever
  • Dificuldade de memorizar atividades diárias
  • Dificuldade para entender conceitos de duplo sentido
  • Dificuldade para identificar a localização do som
  • Dificuldade no entendimento de informações em ambientes ruidosos
  • Pede com frequência para repetir a informação
  • Troca de letras na fala ou na escrita

O DPAC pode vir acompanhado de outros distúrbios, como o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Porém, por ser pouco conhecido, o DPAC pode ser muitas vezes confundido com o segundo. É importante frisar que apesar de em alguns casos serem manifestados em conjunto, eles são distúrbios diferentes e possuem suas próprias particularidades.

Tratamentos

Quando os sintomas são percebidos, o primeiro passo é procurar um otorrinolaringologista. Junto de uma equipe multidisciplinar composta por fonoaudiólogos, audiologistas, psicólogos, pedagogos, entre outros, o médico responsável deve analisar o caso. Depois, é dado o diagnóstico e, se a resposta for positiva, o paciente é encaminhado para um planejamento terapêutico adequado.

Um dos métodos terapêuticos utilizados é o treinamento auditivo, que consiste na execução de diversas tarefas acústicas capazes de ativar ou modificar o sistema auditivo. Também é muito importante que haja um trabalho multidisciplinar entre os pais, a escola e os professores. Dessa forma, todos podem contribuir para o desenvolvimento da criança com DPAC.

Outra opção é o uso do Sistema de Frequência Modulada (FM) na escola, que amplifica a voz do professor. Assim, fica mais fácil que a criança se concentre na explicação em sala de aula. Caso a criança também apresente perda auditiva condutiva ou neurossensorial, o ideal é que ela utilize o aparelho auditivo ou implante coclear.

Voltar para Notícias