Neuroplasticidade: como ela ajuda pessoas com perda auditiva

Neuroplasticidade: como ela ajuda pessoas com perda auditiva

Neuroplasticidade: como ela ajuda pessoas com perda auditiva

A neuroplasticidade é a capacidade do nosso cérebro de se adaptar às mudanças conforme nossas necessidades. Essa adaptação acontece por meio da reorganização dos neurônios de acordo com mudanças ambientais, sociais, físicas e lesões.

Ela é um processo involuntário do nosso corpo, que acontece o tempo todo e também pode ser estimulado. Assim como outras partes do corpo que precisam ser exercitadas para termos bom condicionamento físico, também existem maneiras de exercitar o cérebro para que ele continue exercendo suas funções.

Para comprovar a neuroplasticidade, o cientista Pascual-Leone criou um experimento. Cinco adultos com visão normal foram vendados durante cinco dias, vivendo como pessoas cegas. Depois desse período, foi realizada uma ressonância magnética. O exame comprovou que o córtex visual foi ativado pela audição e pelo tato, ou seja, o cérebro estava se adaptando às condições.

Essa função do cérebro é bastante utilizada nas áreas da fisioterapia e da psicologia. Ela possibilita tratamentos para diferentes tipos de lesões, perda de funções motoras e prevenção de perdas cognitivas. Além disso, também é utilizada com pacientes que possuem perda auditiva.

Perda auditiva e neuroplasticidade

Nos estágios iniciais de perda auditiva em adultos, foram notadas alterações na neuroplasticidade cortical. Com a perda auditiva, o cérebro tende a diminuir as partes relacionadas à audição e pedir auxílio a outras partes do cérebro. Essas áreas começam a processar impulsos relacionados ao som, substituindo ou compensando as áreas que diminuíram e que seriam usadas para a audição.

Mesmo que o grau de perda auditiva seja leve, ela pode causar alterações secundárias no cérebro. Por isso, é importante realizar os testes auditivos e o uso do aparelho auditivo assim que a perda for identificada. A rapidez nos processos ajuda a proteger a reorganização do cérebro, que deve acontecer com maior facilidade.

O artigo “Plasticidade do sistema auditivo: considerações teóricas”, faz uma revisão literária sobre a plasticidade auditiva e chega a conclusão de que “o sistema auditivo é capaz de se reorganizar quando há uma variação na entrada do estímulo auditivo, seja por diminuição ou por aumento deste. Com isso, os indivíduos portadores de perda auditiva e que necessitam de próteses auditivas ou implante coclear poderão ser beneficiados nos aspectos sociais, emocionais e intelectuais, com consequente melhora na qualidade de vida.”

Treinamento auditivo

O treinamento auditivo é realizado a partir do princípio da neuroplasticidade e tem como objetivo aumentar a compreensão da fala em situações difíceis de escutar, como em ambientes muito ruidosos. Ele tem gerado bons resultados para pessoas com perda auditiva e idosos com dificuldade de compreensão da fala.

É comum que pessoas com aparelho auditivo estranhem ou apresentem dificuldades para se acostumar com os sons. Isso acontece porque eles podem parecer muito mais altos ou distorcidos do que antes. O treinamento ajuda a fortalecer as redes neurais, resultando numa audição mais eficiente.

Dicas para treinar o cérebro

Existem algumas formas simples de treinar o cérebro e estimular sua neuroplasticidade:

  • Faça seu cérebro pensar: vale mudar sua rota até o trabalho, tomar banho de olhos fechados para estimular os outros sentidos, fazer com a mão esquerda tudo aquilo que está acostumado a fazer com a mão direita, etc. Todas as atividades que te tiram da zona de conforto e fazem seu cérebro trabalhar são bem vindas!
  • Cuide do seu bem estar: ter uma alimentação saudável e praticar exercícios físicos é só o começo! Aqui também vale ficar em ambientes que te fazem bem e meditar, trazendo tranquilidade para o corpo e a mente.

Gostou das informações? Compartilhe o texto com quem você quer que saiba dessa incrível capacidade do nosso cérebro!

Voltar para Notícias